Zero copula

L8u1B8NR5SVwzbganqWJ_narrative.ly-spot 2Neanderthals did not suffer extinction due to cognitive or technological inferiority, but because of inbreeding with “modern humans” who’d entered Europe from Africa. Doll, Kitten, and Brynn, a lesbian “throuple” — three people joined together romantically in the manner of a couple — are expecting a child from a male that was not sexually desirable to any of them.

Koitodoke – a “love declaration form“, couples fill out these forms together, but an individual can do it on his/her own without the input of the designated love interest. You’ll need to provide your name, plus the name of the object of your affection, the time and place where you met, with the note that this data is only required if you remember. The form is keenly aware that the other person may not return your sentiments. In the section asking whether or not your feelings are reciprocated, there are separate response boxes you can check to indicate “yes,” “I’m not sure,” “I’m pretty sure,” and “no.”

Two teachers lost in love. One horny high schooler. And a priceless collection of ancient art. What could possibly go wrong? Zero copula is a linguistic phenomenon whereby the subject is joined to the predicate without overt marking of this relationship. Standard English exhibits a very limited form of the zero copula, common in statements like “The more, the merrier”, “You from out of town?”, “Enough already!”

Advertisements

Desperdício de tempo

Um alemão e a sua secretária foram apanhados por um colega no feel o’right no gabinete, enfrentam agora punições, não pelo acto mas por estarem a desperdiçar tempo de trabalho. Se era desperdício de tempo temos de perguntar à moçoila! :)

O colega ficou chocado pelo facto de nenhum deles ter picado o ponto. – Não estúpido, eles estavam a picar o ponto, mesmo! :D

A administração do banco está a lidar com o incidente apenas no que respeita ao facto dos dois estarem a desperdiçar horas de trabalho.

João e Maria na cama

«Ela esqueceu os brincos aqui em casa. Duas argolas.
Talvez fosse a tensão da nossa primeira noite – a eletricidade sexual que causa arrepios na pele também leva o cérebro a curto-circuito. Quando se apercebeu, já estava longe, e sem o par de argolas. Eu encontrei os brincos no tapete do quarto, enquanto recolhia minhas roupas do chão.
Doze dias depois, na tarde modorrenta daquele domingo, liguei para a dona das argolas.
— Encontrei seus brincos.
— Puxa, achei que nunca mais os veria. Me custaram os olhos da cara.
— Passa aqui em casa para eu devolver.
Ela era uma mulher nascida para o sexo. Despida das roupas e do pudor, beijava minha boca fervorosamente. Para mim, ela era uma espécie de religião.
Trepamos até não sabermos mais de quem era qual mão, qual braço, qual pé. Mas havia algo além disso.
Foi a primeira vez que pensei em esquecer minhas outras mulheres.
Foi a primeira vez que pensei em casamento.
***
Naquela noite de domingo, novamente encontrei brincos no chão. Um par de corações feitos de opala. Foi então que tive uma epifania:
— Estamos brincando de João e Maria.
Ela deixava migalhas em forma de brincos no chão para encontrar o caminho de volta. Mas nessa nossa versão particular e luxuriosa da história, um devoraria o outro. Sem carochinha.
Quinze dias se passaram, tempo suficiente para minha Maria imaginar que eu pudesse não ligar mais. No jogo da sedução, o suspense é uma arma – o frio na barriga instiga ainda mais o quente do sangue. Saí com outras duas mulheres – uma delas, a morena índia esculpida e talhada à luxúria que trabalha no escritório em frente ao meu. Ia sair com uma terceira, mas minha Maria ligou.
— Acho que esqueci meus brincos na sua casa. Que cabeça a minha… Posso passar aí para apanhá-los?
Ela passou.
A noite passou.
A manhã passou.
Nós não passamos. Ficamos ali, na cama de lençol amarrotado por um dia inteiro, remoendo um desejo sem fim. Saíamos apenas para ir ao banheiro e á cozinha comer qualquer coisa, e logo voltávamos para o colchão.
No dia seguinte, meus pés pisaram duas plumas. Doeu a tarraxa fincando na sola. Era um novo par de brincos.
***
— Oi. O que vai fazer hoje?
— Nada.
— Vem em casa.
Ela chegou com fome, com fúria. Me apertava ainda no hall do prédio. Mordia. Machucava. Marcava. Cravava as unhas nas minhas costas. No quarto, berrava palavrões, me xingava de puto, me dava tapas. Mesmo esgotado, eu a desejava com cada fibra de músculo do meu corpo. Corpo este marcado pelas unhas de Maria, que me rasgara a carne e me roubara a alma.
Estávamos exaustos, mas nunca saciados. Aquela mulher deitada ao meu lado e divertindo-se com nossos corpos cansados haveria de ser minha.
— Estive pensando.
— Em quê? – ela perguntou, fechando sua pequena mão na minha
— Nisso. Em como nossas mãos se encaixam.
— Bobo. A gente se encaixa em tudo.
— Casa comigo?
Ela sorriu um sorriso redondo. Disse “sim” com um beijo.
O primeiro beijo como minha futura mulher.
O último também.
Quando entreguei o par de brincos de plumas a ela, Maria fechou a cara, apenas disse “não são meus” e bateu a porta na saída. Nunca mais retornou. Deve ter perdido o caminho de volta.»

Indignações selectivas

No burgo as senhoras da limpeza antes de entrarem no WC masculino perguntam sempre se está alguém. Se acaso já lá estão dentro e um homem entra, comportam-se como se a lepra tivesse acabado de passar a porta, as senhoras da limpeza holandesas comportam-se de maneira oposta, simpaticamente convidam a entrar com um sorriso. Pelo menos foi o que me deu a entender a linguagem corporal porque o meu parco holandês não passou além do alstublieft(se faz favor).

Chateia-me, a sério que chateia, a duplicidade de critérios(em futebolês) da divisória política quando o assunto é sexo, abuso ou mesmo crime. Se se atira com um Berlusconi do outro respondem com um Polansky. Logo a seguir arremessam-se Strauss-Kahns, Schwarzeneggers, Clintons, Edwards, Moshe Katsav, Tiger Woods, Taveiras, padres, futebolistas e demais artistas. A bissetriz de geometria variável é traçada segundo as conveniências não raras vezes ignorando o “carrego” das vítimas.

Portanto se um dia destes eu aparecer na televisão, qual Strauss-Kahn, é tudo uma cabala. Nego tudo!

Aves raras

Não bastava ter, um marinheiro português espalhado pelo mundo uma doença cutanêa, rara por sinal, que apenas se transmite por via sexual e cuja dispersão segue a rota da viagem Fernão Magalhães. Descubro uma outra, rara também, cuja chegada à California foi traçada à passagem de William Machado e Antone Joseph por volta de 1845, originários dos Açores provavelmente da ilha das Flores.

O erro genético que provoca a doença também foi encontrado numa família negra da Carolina do Norte, numa família italiana radicada nos Estados Unidos e em várias familias japonesas

Digam lá seus marotos, o que andaram a fazer? :)

Acaricia-me o stress

«Carezzia é um serviço bem estabelecido e de alto padrão para se conhecer a massagem sensual tântrica em Londres. Todas as nossas sexy massagistas são proficientes na arte de massagem, massagem tântrica e massagem erótica para dar aos nossos clientes de Londres uma experiência inesquecível. Acreditamos que sua discrição e privacidade são essenciais. Agindo de acordo, nossas massagistas selecionadas sempre se vestem de maneira elegante e fazem uso de um óleo de massagem hipoalérgico premium, sem odores. Não temos seu dinheiro como prioridade, mas com certeza queremos que volte. Temos orgulho em prover você com uma experiência inesquecível de massagem tântrica sensual em Londres. Na Carezzia, acariciamos seu stress! Deixando-o em total estado de euforia.»


As regras: Ter no mínimo 21 anos; Tomar banho antes da massagem; Colocar a temperatura do quarto em 22 graus; Não estar drogado ou álcoolizado; Definir o serviço exato e o valor antes do início da massagem; Estar sozinho no quarto durante a massagem; Ficar passivo e não tocar a(s) massagista(s); Não solicitar nenhum tipo de prostituição; Permitir que sua massagista tome um belo banho após a massagem e provê-la com uma toalha grande. Observação: Provemos apenas um serviço de massagem. Estas são de natureza não-terapêutica e apenas com propósitos de relaxamento. Qualquer dinheiro que seja trocado entre as partes será pertinente somente à massagem. Qualquer outra coisa que possa ou não acontecer deve portanto ser considerada uma escolha pessoal entre dois ou mais adultos de idade legal e nunca poderá ser considerado objeto de contratação ou de qualquer maneira de compensação.

Passar a ferro, passa? :)