Conexão Paris

Post roudado na integra da “Conexão Paris

«Por Evandro Barreto, autor do livro Na Mesa Cabe o Mundo, lançado pela Editora Conexão Paris.

Em Paris, as pessoas que vêm de fora param para ver a Torre e o Arco, as vitrines e os jardins, o rio e as pontes, as avenidas fervilhantes e as performances de rua, os museus e outras pessoas – muito diferentes delas próprias. Raramente se dão conta da outra cidade que se desdobra sob seus pés. Nos vários patamares desse mundo obscuro, sucedem-se fantasmagóricos ramais metroviários desativados, galerias de esgotos imortalizadas no “Fantasma da Ópera”, catacumbas do tempo do Império Romano, jazidas abandonadas de calcário, que abrigaram células da Resistência durante a ocupação nazista. Até os moradores da cidade pouco conhecem da geografia oculta, apesar de consumirem grande parte do tempo viajando debaixo da terra, apertando-se nos vagões e percorrendo os longos corredores das estações de conexão.

O metrô de ParisO metrô de Paris

Mas mesmo o metrô nosso de cada dia pode ser, por si só, uma atração. Ali se multiplicam acontecimentos instigantes  –  de um concerto de Mozart, executado por músicos de alto nível, a discursos inflamados  em defesa da fauna de Madagascar. Geralmente, os residentes passam batidos, pela premência dos horários e o torpor da rotina. No interior da composição, a paisagem humana. Muçulmanas, obrigadas por lei a desvendar o rosto, escondem o desconforto atrás de revistas. Jovens punguistas atentas às bolsas e policiais disfarçados atentos a elas. Executivos concentrados em i-phones, universitários estudando filosofia em pé. Um africano de meia-idade, com jeito de burocrata dos Correios, cochila sentado. Atenuadas pelos anos, as cicatrizes rituais que algumas etnias deixam nas faces dos recém-nascidos lembram suas raízes. Eu me pergunto se ele sonha com leões, como o pescador de Hemingway.

Naquela vizinhança que se renova a cada parada, e no entanto é sempre a mesma em sua indiferença, talvez só eu me sinta um espectador entre atores inconscientes. Quem já se acostumou a ver de tudo, não se encanta ou se surpreende com quase nada.

Por uma só vez, surpreendi  parisienses se deterem numa boca de metrô. Um maltrapilho tocava seu realejo decrépito. Não havia periquito para tirar a boa sorte. Não havia boa sorte. Havia um som e um gestual de abismo. Havia um velho em seu abismo, girando a manivela do instrumento com o vigor e o desespero de quem se concentra em  moer a vida para extrair dela o que possa restar. As moedas caíam em cascata no chapéu corroído, mas o velho, em transe, parecia não perceber. Eu me forcei a descer as escadas, perturbado pela força da cena.

O desconforto só se dissipou quando voltei à superfície na Estação Étoile.  Uma grande lua e as árvores iluminadas à espera do natal me devolveram a lembrança de que a vida também pode nos chegar embrulhada para presente.

Na Mesa Cabe o Mundo

Conheça o livro Na Mesa Cabe o Mundo, escrito por Evandro Barreto.

Leia  as demais crônicas de Evandro Barreto publicadas no Conexão Paris

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s